Passaram por aqui:

sábado, junho 07, 2008

Meus 30 anos.


Depois de uma longa conversa com Niedja,a Psicóloga, e de chorar também na quarta-feira 04/06, explodindo em meio as emoções guardadas, em conseqüência da dissimulação que uso no cotidiano. Resolvi mudar.

Mas não sou dissimulada no sentido maléfico, não às pessoas, no fim das contas acaba sendo ruim para mim. Num ambiente de trabalho acho necessário fazer uso da ‘política’.
Na vida pessoal não. Houve um momento único na minha vida em que eu pude ser eu mesma. Foi quando optei por morar em Olinda. Conheci Marcos, primo de uma grande amiga, Silvana Carmo. E foi a minha espontaneidade e transparência que chamou a atenção dele, e logo depois comecei a namorar .
Meus medos e minhas fraquezas eram às vistas claras de quem quizesse ver. Não me importava com o que iriam pensar de mim, a meu respeito, eu era muito transparente, até demais...E no trabalho principalmente. E lá eu sofri as conseqüências desta sinceridade. Não engolia sapos. Era preciso dissimular, mas eu, era uma menina nova, imatura que saiu do interior em busca de seus sonhos...uma menina carente que teve coragem de cortar o cordão umbilical e foi viver numa cidade selva, chamada Olinda e Recife.
Não tinha idéia do que me aguardava.
Sofri, chorei, me aborreci, desisti tantas vezes, recomecei também.
Sorri, chorei de felicidade, lutei, vivi, me apaixonei.
A vida é um ciclo e tudo chega ao fim. Para haver um novo recomeço.
Difícil aceitar isto. Às pessoas mudam, ele mudou e eu também havia mudado.

Demorei a perceber. Passei muito tempo sozinha. Em abstinência total, dois anos.
Até que resolvi que já era hora de viver. Enterrar o passado. Tirar proveito da situação ruim...criar uma casca para me proteger, para o que me aguarda sempre a frente.
Conheci muita gente, entrei no curso de inglês.
Me apeguei a algumas pessoas...tive momentos incríveis. Início de novas amizades e rompimento de velhas amizades.
Tudo o que eu precisava era manter o equilíbrio entre a razão e a emoção. Mas como fazer? Eu não sabia bem como...
Sou uma pessoa introspecta, sempre fui, embora aparente o contrário.É! eu aprendi a dissimular muito bem.
Eu era 98% emoção.
De 2005 até hoje, conheci duas pessoas e posso dizer que de alguma maneira me marcaram. Tiveram influências...e ambos tinham o mesmo comportamento.
Me machucaram...ambos os dois. Um mais que o outro.
Isto me deixou intrigada. Até que, resolvi ingressar no meio.
E comecei a ler sobre filosofia.
Interessante porque você passa a ter uma visão mais holística da vida e de comportamentos.
Porém, creio que ainda por não saber buscar o equilíbrio, fiquei 98% razão.
O problema do ceticismo está em você não ver graça na vida e aí lembro da frase de um filósofo que diz : tudo que se torna maduro quer morrer.
Creio que trata-se deste ceticismo que chega ao extremo e você mesmo deseja morrer ,por não ver graça alguma em viver. Nada de novo acontece, é tudo sempre igual.
Preciso encontrar um equilíbrio.
Esta semana que passou muitos fatos aconteceram, de ruins a bons.
Ser chamada para trabalhar com uma pessoa que já foi meu professor e que eu admiro muito como pessoa, também.
Reencontrar pessoas e fazer uma análise.

No dia do meu níver, que foi ontem, encontrei Fabrício bem pertinho da estudantil conversando com uma ex namorada dele. Há dois anos atrás, ele estava lá na estudantil para me conhecer pessoalmente e me dar um cd que ele gravou com diversas músicas que faziam parte da trilha sonora de Smallville. Um ano depois estava eu de folga (trabalhava como promotora da Tim), indo pra o Recife passar o dia lá. Fui ao cinema e assisti o Código da Vince com Anderson Villarim.
Ano passado, estava trabalhando na núcleo, fizeram uma cotinha e ganhei um presente...na faculdade sai mais cedo da aula de TGA para ir ao Casa Blanca com Dayse, Francisco e Adriano. Arroz com brócolis e um cálice do vinho do Porto Dom João.
Ganhei dois dias antes um livro de Cléber, o livro que ele utilizou em sala de aula, que está riscado de lápis em alguns capítulos.
Antes de ir, passei na coordenação e recebi um abraço bem forte dele. E sai de lá pisando em ovos, nas nuvens por isto. Boba.
Este ano, estava saindo da sala do coordenador do meu curso de administração para saber onde deixava o contrato do Ciee para assinarem...e dou de cara com Cléber no corredor e ele olha pra mim e eu para ele, mas não nos falamos. Somos estranhos agora. Mas isto não me incomoda mais.
Engraçado que em 1 ano muita coisa acontece, pessoas surgem, pessoas se vão...
E este ano muitas aconteceram.... E só estamos no meio do ano...imagina?

Quem eu pensava que era o meu super herói na verdade precisava ser salvo. Não sei se foi, se de fato ele encontrou o caminho. Espero que sim. Ao menos ele parecia feliz.
Sei que ele tem tantos problemas quanto eu. É tão sensível quanto eu.

O outro é ele mesmo quando está comigo. Nem sempre foi assim...até o dia em que eu mandei ele se laskr...isto mesmo! Ora...(¬¬). Ele ficou puto, mas eu muito mais...quem ele pensava que era para falar comigo daquele jeito...
Depois que ficamos sem nos falar durante 3 meses...Quando ele pediu pra passar uma borracha, tudo ficou diferente. Foi diferente.
Mudou para melhor claro.
Com outras pessoas ele usa diversas máscaras.
Sei de todas as suas arte manhas para conseguir alguma coisa, principalmente tratando-se de mulher...ele é um caçador...(risos).
Existia uma sintonia legal...gostava de conversa com ele. Mas ele criou muitas barreiras e não consegui derrubar.
Pois eu também, inconscientemente criava às minhas.

Encontrei Áttila, ou melhor, ele cruzou no meu caminho, de maneira surreal...
E onde eu estava? Criando barreiras...E usando do meu ceticismo para me proteger. Até estragar alguma coisa? Sim, creio que houve conseqüências, sei que causei estragos, assim como fizeram comigo também.
Mas fui humilde para deixar o orgulho de lado e falar toda a verdade e mostrar quem eu sou na verdade. Meus medos, minhas fraquezas.
Eu poderia ter partido de forma diferente, mas teria mesmo que partir. Tenho certeza disto...Enfim...como sei que ele não vai me aparecer aqui de surpresa, (risos) aliás nem tão pouco lembrou do meu aniversário, (não sei porque mas pensei que ele fosse lembrar)... e não vamos tornar a nos falar.Encerro esta página da minha vida. Com um certo gostinho amargo...

Eita que foi ontem o dia de reencontrar pessoas rsrs.
Mas com os 30 anos que fiz ontem, dia 06/06, não me pesam.
Porém diante de todos os últimos acontecimentos, optei por mudar alguns hábitos. Vou me afastar de algumas pessoas, não deixar de falar, apenas dar espaço para conhecer outras pessoas, novas amizades. Vou cortar o cordão umbilical novamente...vou manter de fato às verdadeiras amizades.
E comecei pelo Orkut.
Preciso está bem concentrada no meu trabalho que exige atenção.
Não quero ter surpresas desagradáveis à noite fuçando o Orkut e dia seguinte ficar mal por isto...eu me conheço. E quero parar de dissimular que estou bem quando na verdade não estou. Chega um momento em que não vou agüentar e vou explodir aos prantos.
Quero o equilíbrio.

Quero absorver o máximo de conhecimento neste novo estágio, agregar valores.
Quero passar na federal, e então por em dia as minhas dívidas.
Fazer logo em seguida, depois de quitar as dívidas um investimento, na bolsa de valores.
Este investimento irá me proporcionar minha pós e mestrado que pretendo fazer na Getúlio Vargas em São Paulo.
Mas não paro por aí. Quero ir para Europa fazer o Doutorado.
Tenho um longo caminho pela frente, eu sei.
E preciso me desfazer de coisas que não me trazem mais alegria, ou que não me fazem bem.
Exclui alguns contatos do win live, da minha agenda telefônica.
E vou cuidar de mim...
Deixo para trás pessoas que fizeram parte da minha vida de alguma maneira, mas deixo mesmo, sem portas abertas, sem chance de retorno.

Levo apenas os ensinamentos, algumas palavras doces que ouvi, o carinho que recebi, um carinho nada convencional, um carinho surreal. Levarei comigo.
Levarei pouquíssimas pessoas no coração.
Quem está nele, não preciso dizer que está, que o levarei comigo. E quem um dia já esteve, conforme-se com a escolha que você fez. Perdoei todas às mágoas...

" Tudo tem que ser bem de leve para eu não me assustar e não assustar os que amo.
Pedem-me pouco, pedem-me quase nada.

O terrível é que eu tenho muito para dar e tenho que engolir esse muito e ainda por cima dizer com delicadeza : obrigada por receberem de mim um pouquinho de mim."


No meu coração quem está dentro não sai.
E quem está querendo entrar não pode.
Não sei por quanto tempo e nem até quando...
A vida mostrará.

Até mais ler!
Anne Karine

3 comentários:

  1. Vishmaria, mulher dedeus! Achei incrível o quanto somos parecidos nessa coisa de evitar confrontos. Deu medo inté.

    Parabéns pelo aniversário, pelo estágio e todo o resto. Muita felicidade sempre!!!!! =D

    ResponderExcluir
  2. Pois é...sofri demais...cansei.
    Criei barreiras que nem eu mesma sei como derrubá-las...viraram concreto, ou melhor, aço!
    Quem seria capaz de derrubá-las? O superman? rsrs
    como não acredito em conto de fadas...
    Já sabemos o final deste enredo.
    Muito obrigada pelos parabéns...
    Meu primeiro dia hoje no estágio foi ótimo! muito obrigada!
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Ei! Fiquei com uma dúvida, na verdade: pq "inclusão social"?

    Quanto ao estágio, tenho certeza de que vc vai mandar mto bem!!! Boa sorte!

    ResponderExcluir

Volte sempre!